Os Repertórios Musicais Na Educação Infantil

Os Repertórios Musicais Na Educação Infantil

Cantar com as crianças na Educação Infantil é uma prática recorrente de muitos professores. Algumas músicas são velhas conhecidas e, além do ritmo, suas coreografias também são bem propagadas. Assim acontece com “Borboletinha está na cozinha”, “Meu pintinho amarelinho”, “A dona Aranha”, entre outras.

Mesmo existindo professores que se interessam por conhecer diferentes músicas, com intenção de levar sempre um repertório novo às crianças, é notório que alguns prosseguem por um bom tempo com a mesma seleção. Por isso, acho interessante questionar: sobre o trabalho com música na Educação Infantil, qual repertório um professor descreveria?

 

Meu lanchinho, meu lanchinho

Vou comer, vou comer

Pra ficar fortinho

Pra ficar fortinho

E crescer! E crescer!

 

Guarda, guarda, guarda

Bem direitinho

Guarda, guarda tudo

Pra ficar arrumadinho.

 

Para ouvir o som do mosquitinho

E as batidas do seu coraçãozinho

Feche a boquinha

HUM HUM HUM

Feche a boquinha

HUM HUM HUM

 

Sim, muitos professores ingenuamente ainda apresentam esse tipo de canção. Professores de diferentes cidades, distintas idades, com pouco ou muito tempo de experiência na Educação Infantil. Alguns conheceram esse repertório ao cursar magistério; outros em cursos de graduação; há os que aprenderam na escola, com colegas mais experientes; e alguns simplesmente reproduzem o que aprenderam quando frequentavam a escola. Trata-se, nesse caso, do uso da música como pretexto para ensinar comandos, em detrimento da expressão de uma linguagem artística.

Quando abordo esse tema em alguns encontros de formação, costumo observar um silêncio, acompanhado de olhares perplexos. Às vezes, alguém rapidamente pergunta: “─ Então quais músicas cantar para as crianças?”

Nesse momento, eu apresento uma tira de Calvin e Haroldo. Nela, os dois amigos estão ouvindo e dançando música clássica, à noite, num volume tão alto que os pais de Calvin comentam que no dia seguinte os levarão para um orfanato. A partir dessa leitura, teço a importância de oferecermos às crianças não somente o que é feito para elas, mas de apresentarmos, por exemplo, músicas eruditas, indígenas, MPB, samba e composições de diferentes países, com suas singulares culturas. Aponto também a importância da perpetuação das cantigas de roda, rimas e parlendas. Ao mesmo tempo, vou formulando um diálogo sobre a importância de levar para a escola, um espaço formal de educação, o que é produzido artisticamente, pois a produção meramente industrial, com exclusiva intenção de lucrar, já é oferecida diariamente às crianças pela mídia, numa incessante produção de cultura de massa.

Não cabe ao professor desqualificar uma música, um CD ou um DVD que, por ventura, alguma criança leve para ouvir com seus colegas. Para além disso, seu compromisso é proporcionar experiências artísticas e culturais variadas. As crianças chegam à escola com seus saberes, suas vivências e seus gostos musicais, muitos advindos da indústria cultural; nesse sentido, só ampliaremos suas experiências com a música se apresentarmos a elas o que não conhecem. Para que não deixemos crianças e jovens limitados às músicas de prateleira, precisamos permitir a coexistência de um repertório variado, com estrita qualidade artística.

E qual é o gosto musical dos professores? Como se deu sua formação artístico-cultural? Que repertórios eles têm para ampliar a experiência musical de seus alunos? Essa é uma questão fundamental, que faz toda a diferença. Se o professor não buscar sua própria experiência com a música, ampliando seu repertório, como oferecerá experiências musicais enriquecedoras para as crianças?

 

 

Alguns artistas que produzem músicas para as crianças, com qualidade artística, são bem conhecidos, como: Toquinho e Vinícius de Moraes, Adriana Partimpim, Pato Fu e Palavra Cantada. Para aumentar seu acervo, recomendo mais alguns:

Barbatuques

Bia Bedran

Grupo Triii

Lydia Hortélio

No Dorso do Rinoceronte

Parangolé

Taque-Tique-Tá

Thelma Chan

Tiquequê

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp